Começo esta postagem citando um ditado que diz que:

“…Mares calmos não formam bons marinheiros…”

E, minha interpretação deste ditado é que excesso de estabilidade (‘mares muito calmos’) são prejudiciais para a construção de competências e, consequentemente, de uma carreira (ou negócio) de sucesso.

Ampliando esta análise para um contexto mais amplo, o corporativo, manter ambientes demasiadamente estáveis pode gerar em um futuro não muito distante, uma instabilidade pela falta de competências, habilidades e atitudes que auxiliem na sustentação do negócio.

Quanto mais desempenho (e resultados) se deseja, mais empenho é necessário.

Certa vez um amigo citou uma frase de seu pai

“…Meu problema foi que sempre tive uma condição mais ou menos suficiente…”.

Vale citar que o contexto dessa conversa entre pai e filho estava relacionado com a construção de uma carreira ‘mais bem sucedida’ de acordo com os parâmetros dele.

Então imagino que ‘o mar’ dessa pessoa não deva ter provocado turbulência suficiente para tirá-lo de sua condição de conforto – ou de estabilidade – para buscar novos horizontes na sua vida profissional e pessoal.

Uma metáfora bastante interessante no contexto desta postagem é a do “Tubarão no tanque” que, em resumo sugere que você:

“Ponha um tubarão no seu tanque e veja quão longe você realmente pode chegar.”

 

Um comentarista, ao assistir as provas do atletismo nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, fez uma comparação entre o desempenho/resultados de Usain Bolt e a qualidade dos seus rivais (os tubarões). Na avaliação dele, o fato dos demais competidores estarem muito abaixo daquilo que Bolt pode oferecer fez com que diversos dos records desse ícone do esporte não fossem quebrados.

Você vai chegar até onde o incentivo, sua iniciativa ou ambiente em que está te levar.

Analisando estas situação, bem como o desempenho e comportamento de diferentes equipes (e pessoas) com as quais tenho trabalhado ao longo dos anos, percebo claramente que ambientes que não oferecem os ‘devidos incentivos’ para que as pessoas alcancem níveis mais elevados de excelência acabam por mantê-las em uma situação de estabilidade que, no médio e longo prazos se mostram danosas em diferentes sentidos:

  • Nível de competência se estabiliza
  • Novas habilidades não são desenvolvidas
  • Mudanças passam a ser interpretadas como sendo grandes problemas
  • Inovação não encontra espaço para se desenvolver
  • Resultado = estagnação

Com isso, pensando por exemplo em equipes que trabalhem em projetos de desenvolvimento tecnológico – e sabendo que a tecnologia está sempre evoluindo – uma situação/ambiente de estabilidade excessivos acaba por decretar, em algum momento, na quase incapacidade de reverter esta situação; já que tende a crescer muito o gap entre o que se ‘precisa’ e o que se ‘tem’ disponível (em termos de habilidades e conhecimentos). Consequentemente, aumenta-se o grau de dificuldade e complexidade, bem como o volume de investimento de recursos (tempo, financeiro, etc.) para reverter a situação.

Então, tenha em mente que Tudo muda o tempo todo e que é preciso manter-se em constante movimento de adaptação para manter-se na ‘crista da onda’.

Giovani De Faria

(Pulse @Linkedin)

Anúncios