A escolha de uma carreira não costuma ser uma tarefa das mais fáceis. São muitas as variáveis (e opiniões) a se considerar. Entretanto, depois da escolha feita é hora de arregaçar as mangas e capacitar-se.

O mundo – e as carreiras – têm mudado constantemente. Novas profissões estão surgindo e outras, simplesmente, desaparecendo. Uma das poucas coisas que não tem variado é a

Certeza de que novas mudanças acontecerão

Assim como acontece com o ciclo de vida de um produto qualquer – que passa por diferentes fases desde sua concepção até se tornar obsoleto – temos uma situação semelhante com as carreiras profissionais.

Com a capacitação (cursos, treinamentos, autoaprendizado, busca de informações, etc.) o profissional (gerente de projetos, por exemplo) vai se moldando de acordo com seus interesses e com as demandas do mercado.

Cursos de pós-graduação e certificações são usados para atesta sua habilitação e capacitação necessárias ao desempenho de suas atribuições profissionais.

Agora, analisando o Ciclo de Carreira de forma semelhante ao que acontece com os produtos em geral, pode-se ter:

  • Inicialmente, uma capacitação (ou competência) qualquer pode ser considerada um ‘diferencial’ de mercado;
  • Em um momento posterior, pode vir a se tornar uma competência obrigatória e essencial (onde já deve ter se tornado uma ‘commodity’) e sua falta pode vir a ser um impedimento para seguir numa dada carreira;
  • Mais adiante, num futuro não muito distante, pode passar a ser uma competência ‘desejável’ que, com um pouco de sorte, ainda será considerada como critério de desempate em um processo seletivo qualquer;
  • E finalmente, pode tornar-se uma competência/habilidade dispensável, que não é mais aplicada ao novo contexto dos ambientes corporativos.

Então, como lidar com esta situação? Como garantir que o seu ‘Ciclo de Carreira’ manterá uma tendência de crescimento ou, no mínimo, terá garantida a estabilidade (evitando o declínio)?

Assim como acontece com diversos produtos, com o passar do tempo é preciso promover alterações e melhorias para atender às novas demandas do mercado. Os produtos acabam recebendo novas formas, cores ou funcionalidades. Além disso, novas campanhas de marketing ou estratégias de posicionamento são implementadas.

E o profissional? Este, embora não seja exatamente um produto, precisa manter-se ‘interessante’ (ou necessário) para o mercado de trabalho. Para isso precisa:

  • Fazer uso da experiência adquirida
  • Observar as tendências (e demandas) de mercado, e buscar a capacitação e experiências relacionadas
  • Traçar estratégias (contínuas) de atualização profissional
  • Manter ativa e atualizada sua rede de contatos profissionais

 

Abaixo, alguns links com temas relacionados ao assunto deste post para completar sua leitura:

Giovani De Faria

Anúncios